sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

As três luzes que frisam o teu seguro acessível...


Sobre Emoções

- Jacqueline Collodo Gomes

(Poesia Inédita do E-book "Pétala Eterna E Outros Momentos Poéticos")

I
As três luzes que frisam o teu seguro acessível
Formam os portais que abrigam este sentir indizível.

Arranjos e confortos de um paraíso
Que se assenta calmo, em calmos portões.

Campinas, 09/07/2013, 18:25. Foto: sxc.hu

II
Eu gosto do contorno em tudo.
Mas eu gosto mais dos teus contornos.

Campinas, 08/07/2013, 18:07.

º Baixe o E-book Gratuitamente: http://ahpoesia.blogspot.com.br/p/e-books.html

Quem Nunca?

Image from: sxc.hu

Quem Nunca?

Quem nunca?

Quem nunca viu sua própria nuca?

- Que nuca?

(Santos pensares!)

Jacqueline Collodo Gomes, em 18/12/2013. 16:20.

Oceanos em Pétalas, O Livro


Oceanos em Pétalas, O Livro

Depois de dois e-books de poesia, um projeto impresso e que se pode pegar nas mãos: "Oceanos em Pétalas", por Jacqueline Collodo Gomes. Meu primeiro livro de poesias físico, e publicado, vem aí!

Previsto para os primeiros meses de 2014.

Mais notícias em breve!



sábado, 7 de dezembro de 2013

Ter a ousadia dos traços diferentes


Quero

Jacqueline Collodo Gomes

- Poesia integrante do e-book: "Pétala Eterna E Outros Momentos Poéticos" -

Quero escrever alguma coisa do que aprendi hoje
Quero tirar os pesos, anular as marcas ruins

Quero abrir uma cortina para um dia claro e iluminado
Quero ser um algo novo em um novo ser

Não ligar para as mesmas coisas
Ter a ousadia dos traços diferentes

Jogar páginas antigas ao tufão que se desfaz
como se nunca houvera existido...

Quero romper as travas para o meu amanhã.

21/10/2011, 22:48hs.

Foto: sxc.hu

- Baixe gratuitamente o livro "Pétala Eterna E Outros Momentos Poéticos": http://ahpoesia.blogspot.com.br/p/e-books.html 

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Sincero e no mesmo tom


Poesia integrante do e-book: "Pétala Eterna E Outros Momentos Poéticos", Jacqueline Collodo Gomes 

Movimentos

Jacqueline Collodo Gomes

Gira o lápis entre os dedos.
Movimentos.
Alguém fotografa o parque.
E a sua essência nem percebe.
Vai passando, assim, leve...
Com um leve olhar
Com um olhar tão bom
Que reconhece outros olhares
Igualmente lugares
De um profundo bonito,
Sincero e no mesmo tom.
E aquecem o instante
Dos movimentos constantes
Ao seu suave som.

Campinas, 09/07/2013, 18:09.

Foto: sxc.hu

Baixe o livro "Pétala Eterna E Outros Momentos Poéticos" gratuitamente: http://ahpoesia.blogspot.com.br/p/e-books.html

Seu Próprio Livro de Poesias

Você gostaria de ter o seu próprio livro de poesias?

Faço seu e-book (livro de poesias no computador), a partir de R$ 80,00, para você compartilhar com seus amigos, contatos, e leitores, em seu blog, por e-mail, redes sociais...

E-book artístico, páginas totalmente personalizadas, com lindos designs de imagem! Pode ser lido em computador, notebook, celular, tablet... Forneço nos formatos .Pdf e Doc. 

Veja alguns modelos já feitos: http://ahpoesia.blogspot.com.br/p/e-books.html


Entre em Contato!

Entre em contato comigo deixando um comentário na postagem, ou pelo e-mail divulgado na imagem acima!

Ficarei contente em trabalhar em seu e-book de poesias!

Você também pode ter o seu próprio livro de poesias!

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

"Pétala Eterna E Outros Momentos Poéticos", de Jacqueline Collodo Gomes

Com muita alegria compartilho com vocês, amigos, contatos, leitores do blog, o meu segundo e-book de poesias, o "Pétala Eterna E Outros Momentos Poéticos", trabalho realizado com muito carinho e horas de dedicação à composição artística do sentimento de cada uma das poesias selecionadas!



"Pétala Eterna E Outros Momentos Poéticos", 
Jacqueline Collodo Gomes

E-book Gratuito, com trinta e duas (32) páginas totalmente personalizadas, contendo: Página de Capa e Abertura; Página de Índice; Vinte (20) lindas poesias, das quais três (03) títulos são inéditos, e todas belamente trabalhadas em cenários, paisagens e trechos frisados, que ilustram e destacam, com individualidade, cada sentimento e sensação posto em linhas e entrelinhas, chamando-nos para uma comunicação poética; Página de Apresentação com palavras especialmente escritas pela Professora de Música, Regente e Musicista, Indira Menezes, personalidade sensível e influente no meio artístico musical, residente em Campinas/SP, e atuante no interior de SP; e Página Autora e Obra, que traz uma pequena biografia minha, algumas informações sobre o que tenho feito no meio literário, e sobre o e-book.

Disponibilizado para download gratuito, nos formatos .DOC e .PDF. Pode ser lido em computador, notebook, tablet, celular, bastando ter um aplicativo compatível com arquivos de Word, ou que possibilite leitura de arquivos em .PDF. 

Baixe agora, gratuitamente, leia, e compartilhe seus comentários! Serão muito bem-vindos!





quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Seu E-book de Poesias, Personalizado!

Bom dia!

Disponibilizando meus serviços de designer para os amigos e contatos poetas e escritores que tiverem interesse em ter seu próprio E-book (Livro no Computador) para compartilhar online com os amigos, contatos, em seus respectivos blogs, etc.

º Tenha seu e-book de poesias, personalizado, com fotos, elaboração de capa, e que poderá ser lido em computador, tablet, celular... A partir de R$ 80,00! Fale comigo deixando seus dados de contato no comentário, ou pelo e-mail mencionado na imagem. 

Clique na imagem para ler as informações

Eu gosto de exercer minhas ideias

Image from: morgueFile


Entre as Frestas-Cores-Versas

Jacqueline Collodo Gomes

Eu gosto de exercer minhas ideias.
Deste espaço sem plateia onde minha alma pode pleitear.
E ser tudo em que, em sonho, sonhar!

02:01, 27/11/2013.

"Pétala Eterna E Outros Momentos Poéticos"

Capa Oficial do E-book "Pétala Eterna E Outros Momentos Poéticos", de Jacqueline Collodo Gomes.

Clique na imagem para visualizar melhor

Novo e-book de poesias da autora Jacqueline Collodo Gomes, trazendo uma linda coletânea de momentos transformados em poesia, e alguns títulos publicados com exclusividade neste livro: "Sobre Emoções", "Movimentos", e "Eu Sou De Um Amor Único".

Com a Apresentação escrita gentilmente pela Professora de Canto e Instrumentação, e Musicista, Indira Menezes, residente e atuante em Campinas/SP.

Disponibilizado para download gratuito, nas versões .PDF e .DOC, direto no blog da autora.

FIQUE LIGADO! LOGO MAIS!

Uma pequena amostra da página de abertura do E-book:

Clique na imagem para visualizar melhor

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

... as tarefas do dia-a-dia, são as tarefas do ganha-pão...

Image from: sxc.hu

O Que Se Sonha Fazer

Jacqueline Collodo Gomes 

Na vida, a gente tem que fazer muitas coisas, para poder fazer o que sonha. São as tarefas do dia-a-dia, são as tarefas do ganha-pão. Mas nem todas são coisas que a gente não acabe gostando pelo menos um pouco de fazer. Algumas coisas podem ser divertidas, e acrescentar o nosso olhar na nossa habilidade daquele sonho, como as texturas, aromas, e doces recordações trazidas com o cozinhar, as cores e as sensações de se observar o pôr-do-sol... Até o nosso trabalho, que pode ser um ofício bem distante, acrescenta ao nosso sonho. Com suas diferentes articulações, cada instante nos molda, e deixa definido mais uma parte de nós, da estrutura para receber e concretizar o sonho. 

11 Nov 2013, 20:00hs.

Esta Tão Perfeita Escala de Cores

Image from: sxc.hu


Esta Tão Perfeita Escala de Cores

Jacqueline Collodo Gomes

Esta tão perfeita escala de cores
de todos os dias!
Não se mistura, não escorre,
não se desvia!
Obra suspensa sobre as nossas cabeças,
imensa e infinda,
que em poetar já foi escrito
não se cortar com faca de pão;

tem um pouco de luz, um tanto de brilho
e de escuridão,
a métrica certa juntando distintos
em percepção.
É a aquarela, é quem se espera,
fenômeno - norteia:
É o pôr-do-sol, é o céu garboso,
que à noite nomeia.

18:01, 17 de Novembro de 2013.

Seja um só com o que está vivo...

Image from: sxc.hu

"Seja um só com o que está vivo, e não com o que está ligado na tomada elétrica. Afinal, você faz parte do primeiro grupo, e não do segundo."

Jacqueline Collodo Gomes, em 14/10/13, 19:29.

Oceanos Inteiros E Outras Poesias, Download Gratuito

Amigos e Contatos,

Devido a mudanças no sistema do site Rapid Share, onde hospedo meu livro "Oceanos Inteiros E Outras Poesias", tive que reenviar os arquivos do livro, por isso, convido a todos que já o leram, ou que ainda não o leram, a lerem online, ou baixarem para ler no computador, notebook, tablet, celular; é uma leitura agradável, leve, simples, complementada por lindas paisagens e cenários, e com a apresentação escrita gentilmente pela Dra. Lucimária Rangel, psicóloga residente e atuante em Campinas/SP.

É só clicar, escolher o arquivo .PDF ou .DOC, e baixar:

http://ahpoesia.blogspot.com.br/p/e-books.html

Depois disso, compartilhe e recomende esta singela obra aos seus amigos, e contatos! E deixe seus comentários logo abaixo!


quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Foto-poema Suave Melodia

Foto-poema, com a poesia "Suave Melodia". Para ler, sentir, e compartilhar.

Clique para ler:




terça-feira, 29 de outubro de 2013

Natureza

Image from: sxc.hu

"A Natureza é a mais dinâmica atração gratuita à disposição das pessoas, e não consome nossa energia, nem a energia da nossa casa." 

Jacqueline Collodo Gomes, em 14/10/2013, 19:17.



As nuvens passando no ar...

Image from: sxc.hu


"As nuvens passando no ar... A melhor animação gráfica existente, à disposição da contemplação humana de forma gratuita, desde sempre!"

Jacqueline Collodo Gomes, em 14/10/2013, 19:15.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Bailarina, gira, gira!

Image from: sxc.hu

Si'l Vous Plié

Jacqueline Collodo Gomes

Bailarina, gira, gira!,
Gira, e muda o clima!

Desliza, manhã bailarina! Desliza um novo clima!

05:44, 06/10/2013.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

As pessoas dentro de suas casas...

Image from: sxc.hu

"As pessoas dentro de suas casas, de shoppings, de lojas, quando não há nada melhor do que o céu para se ter sobre a cabeça!"

Jacqueline Collodo Gomes, em 14/10/2013, 19:21.

Nasci com um mundo

Image from: sxc.hu 

"Nasci com um mundo para despejar em linhas. É por isso que escrevo."

Jacqueline Collodo Gomes, em 14/10/13, 18:40.



Rasgando-lhe por inteiro

Image from: sxc.hu

Rasgando-lhe por inteiro

E eu fiquei lá escrevendo, e escrevendo, quando a minha vontade era cravar o lápis no miolo do caderno, e trazê-lo ferozmente, rasgando-lhe por inteiro.

Jacqueline Collodo Gomes

02:18, 15/10/2013

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Um riacho para molhar os pés

Image from: sxc.hu


Um riacho para molhar os pés

Jacqueline Collodo Gomes


"Suja meus pés areia nova! Suja de novos dias, grãos de Oceania feito nova vida!"


Um riacho para molhar os pés...

E um mundo onde não se precisasse pensar tanto!

Qu'eu estou cansada, meu amigo!

Qu'esta jornada não está fácil!


Um canto de um canion...

Um tanto de canto...

Tonéis de renascentes afagos, acalantos.

E um mundo onde não se precisasse pensar tanto

principalmente para se distribuir carinho e acolhimento.


03:05, 07/10/2013.

domingo, 6 de outubro de 2013

Todas as dores se façam vazias de existência

Image from: sxc.hu

Suave Melodia

Jacqueline Collodo Gomes

Todas as dores se façam vazias de existência
e dissolvam-se, mergulhadas
às pautas de uma nascente suave melodia.
Que cada um sabe a altura de seu monte
e quanto leva atravessá-lo em dia.

...

05:38, 06/10/2013.


Si'l Vous Plié

Bailarina, gira, gira!,
Gira, e muda o clima!

Desliza, manhã bailarina! Desliza um novo clima!

05:44, 06/10/2013.

sábado, 5 de outubro de 2013

"Uma capa-guia para ser refeita" no Jornal O Metropolitano

Edição Online do dia 05 de Outubro de 2013 do Jornal O Metropolitano 


Na página 7, a poesia "Uma capa-guia para ser refeita", de Jacqueline Collodo Gomes. Veja online neste link: 



Também disponível na versão impressa. Distribuição gratuita! Procure em um ponto de distribuição em Campinas/SP, e Barão Geraldo.

sábado, 28 de setembro de 2013

"Tempo Ovacionado", no Jornal O Metropolitano

Edição Online do dia 28 de Setembro de 2013 do Jornal O Metropolitano 

Na página 7, a poesia "Tempo Ovacionado", de Jacqueline Collodo Gomes. Veja online neste link: 




Também disponível na versão impressa. Distribuição gratuita! Procure em um ponto de distribuição.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Quando a Andorinha Faz Seu Ninho

Foto: Cláudia Pinheiro Camargos



Quando a Andorinha Faz Seu Ninho

Jacqueline Collodo Gomes 

As andorinhas tinham o costume de fazer ninho no forro das casas, e por um espacinho que achavam entre o telhado e o forro se espremiam, saindo e voltando em rasantes, com galhinhos e gravetos a fim de construir uma caminha confortável para sua futura prole. E assim seguia, ano após ano, em que da janela do quarto das casas podia se ver a rasante dessas aves tão pequenininhas, indo e voltando, construindo seu lar, alimentando a nossa imaginação de como já estaria ficando o ninho da família. Depois, quando os filhotinhos finalmente eram chocados, podíamos ouvir ali de dentro do quarto seus chiadinhos e piados, bem baixinho, pedindo por comida, e pelo aconchego das asas dos pais.
Mas, algumas raras vezes, ao calcular mal a entrada no ninho, algumas das andorinhas acabavam por parar dentro de casa, adentrando o quarto pelo vão da janela. E nesses momentos tínhamos que socorrê-las, pois voavam atordoadas pela casa, sem encontrar o caminho certo pra seguir. Eu me lembro de um dia em que levei um susto ao perceber uma andorinha entrar pela janela e seguir em voo reto e ligeiro, até dopar com a parede do quarto que ficava à frente, e cair no chão pela pancada. Na hora pensei o pior, e me aproximei temerosa de encontrar a avezinha morta pelo impacto e pela queda. Mas ela estava quietinha, encolhida no canto da parede e do chão, aparentemente com dor e tentando conservar suas energias até a dor diminuir. Eu a peguei com as duas mãos e a aconcheguei bem no centro das palmas, caminhando até perto da janela, e ela nem reclamou e nem relutou. Pude sentir seu corpinho tão pequenino e frágil, seus ossinhos, suas perninhas tão delicadas e fininhas, e como suas penas eram macias, fofinhas, e naturalmente acarinhavam minhas mãos. Os olhinhos bem vivos e brilhantes me encaravam, e eu fiquei completamente tocada por segurar um pedaço de existência tão profundo e bonito como aquele, bem nas palmas das minhas mãos. Passei de leve o dedo pelo biquinho dela, que tem uma característica toda especial, só das andorinhas, ao menos, pelo o que meu coração pôde notar naquela observação tão próxima da ave; ela fechou de leve os olhinhos e mexeu a cabeça um pouquinho como quem recebesse o afago como um gole de água quando a garganta está seca, bateu as asinhas enquanto posicionava as perninhas, e no impulso do voo encontrou o azul do céu, voou pra cá e pra lá, já estava bem de novo para encontrar seu caminho, deixando em minhas mãos um perfume suave de andorinha, que eu sinto até hoje.

25/09/2013, 17:29.

"O Mais Importante É O Amor"

Imagem da internet



"O Mais Importante É O Amor"

Jacqueline Collodo Gomes

Na estante do antigo apartamento onde moramos, meus pais, irmãos, e eu, quando eu ainda era pequena, bem na frente, bem à vista, ficava um livro com este título. Velhinho, com a capa surrada, e tinha essa imagem do homem levando o menino nas costas, de cavalinho. O livro só era mexido quando alguém ia tirar o pó da estante, a limpeza semanal e comum de toda casa. E eu, todos os dias, quando ia ver TV, ou me sentar pra fazer alguma refeição, ficava bem de frente pra ele, e mesmo sem ser diretamente, acabava passando os olhos pelo título: O Mais Importante É O Amor. E assim, toda vez que eu me sentia rejeitada pela minha família, ou quando minha mãe discutia comigo, ou meus irmãos me entristeciam, o pensamento de fugir, de odiar, de brigar, nunca durava muito tempo, porque o título sempre me fazia voltar, rever o caminho, rever minhas ações, e deixar pra lá os defeitos de quem tinha me magoado. Eu sempre continuava os amando, mesmo sob as maiores crises, e situações dolorosas, o ensino do título sempre me fazia saber que o mais importante era amar, mesmo quando eu nem sabia direito o que era isso, de fato.
Essa semana eu encontrei esse livro de novo, entre outros livros e pertences familiares. Chorei muito ao pegá-lo nas mãos. Não tive dúvida em trazê-lo comigo. Esse talvez possa ser o maior ensino que minha mãe poderia ter colocado à minha vista. Que, no final de tudo, mesmo sob todas as diferenças, de gostos, de atitudes, de culturas, de existência, o que mais importa é que ninguém fique triste com ninguém, porque o mais importante é amar.

"Quando alguém está triste conosco, ninguém ganha, ninguém tem razão. O Mais Importante É O Amor."

25/09/2013. 01:52.

Setembro

Image from: sxc.hu

Setembro

Jacqueline Collodo Gomes

Eu nunca vi meses tão longos
engolidos por um Setembro tão rápido como este!
Dias que se enunciavam de puros confetes!
Embargados por tristezas,
um entornado nanquim.

Quando eu era menina
via alguém tornar a branca folha em colorida,
derramar do negro frasco com que conta o artista
para depois riscar um novo desenho, trazer algo a vida!

Se este meu Setembro pudesse se fazer assim!

25/09/2013. 01:38.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

A Estrada De Minhas Próprias Veias no O Metropolitano

Edição Online do dia 14 de Setembro de 2013 do Jornal O Metropolitano

Na página 7, a poesia "A Estrada De Minhas Próprias Veias", de Jacqueline Collodo Gomes. Veja online neste link: 

http://issuu.com/o_metropolitano/docs/ed_031


Também disponível na versão impressa. Distribuição gratuita! Procure em um ponto de distribuição, em Campinas/SP e Barão Geraldo.

A Estrada de Minhas Próprias Veias

Image from: sxc.hu

A Estrada de Minhas Próprias Veias

Jacqueline Collodo Gomes

A estrada de minhas próprias veias
é um caminho árduo.
Um travar de forças contrárias
que os passantes desconhecem.
Destras capas retalhadas em barris de estresse.
Tirar dias de um sono desalentado.

Um afogado imergir de persistência poética.
Pueril forma de se guardar a ética.
Movimentos de não deter os dados jogados.
Passos intensos, refugiar do cansaço...
Relocar as trilhas para longe do que não escolhi.

13/09/2013, 14:34.

Mais um lugar para baixar poesias

E-book "Oceanos Inteiros E Outras Poesias", de Jacqueline Collodo Gomes, também disponível para download no site de poesias e mensagens CR Lemberg:



º Oceanos Inteiros e Outras Poesias º

Primeira coletânea de poesias de temas variados, de autoria de Jacqueline Collodo Gomes, que pode ser baixada gratuitamente ou lida online, em computador, notebook, tablet, celular... Disponível em formato .PDF e .DOC. Com fotos e imagens que complementam de forma especial o espaço de cada poesia, e a apresentação escrita gentilmente por Lucimária Rangel, Psicóloga residente e atuante na cidade de Campinas/SP. 

Você já leu o e-book? É gratuito! Baixe e leia:

º Versão em .PDF - Necessita de leitor .pdf instalado



º Versão em .DOC - Necessita do editor de textos Word ou compatível instalado

Rosas Vermelhas Eram Suas Preferidas

Image from: sxc.hu

Rosas Vermelhas Eram Suas Preferidas

Jacqueline Collodo Gomes

Daí a sua mãe falece, e os serviços de oferecer empréstimo, cartão, e pedidos de doação, continuam ligando, e chamando pelo nome dela.
...
Eu detesto contar o tempo passando, pra poder dizer ao atendente do telefone há quanto tempo ela já não está aqui!
...
Um dos momentos mais dolorosos destes meses passados foi descobrir que havia necessidade de se pedir o cancelamento do CPF da minha mãe. O CPF da minha mãe! Que ela tinha tanto orgulho! Era o documento de sua idoneidade! "Meu falecido pai sempre dizia: um nome limpo é tudo! Você pode não ter nada, mas tem que ter um nome limpo, é a coisa mais importante!", ela falava algumas vezes, para meus irmãos, e também para mim. O ar me faltou quase na mesma intensidade de que quando ouvi que ela não viria mais para casa. Era como ela deixar de existir pela segunda vez! 
...
Meu pai levou os documentos de minha mãe, e não foi falado mais nisso. Mas não anulou o CPF dela no meu coração!
...
"O seu CPF nunca vai estar cancelado para mim, mãe!"

18:53, 09/09/2013.

domingo, 8 de setembro de 2013

Edição 30 do Jornal O Metropolitano

Edição Online do dia 07 de Setembro de 2013 do Jornal O Metropolitano

Na página 7, a poesia "Tal qual é a amizade", de Jacqueline Collodo Gomes. Veja online neste link: 



Também disponível na versão impressa. Distribuição gratuita! Procure em um ponto de distribuição.

Em cada pequena espera...

Em cada pequena espera, uma pausa é concedida.

sábado, 31 de agosto de 2013

Jacqueline Collodo Gomes em matéria do Jornal O Metropolitano


Matéria do Jornal O Metropolitano do dia 31/08/2013, edição 29

"Poetiza campineira tem obra selecionada para Antologia a Gonçalves Dias"

Página A-8, Entretenimento

Poesia "Remenda" no Jornal O Metropolitano, edição 29


Edição Online do dia 31 de Agosto de 2013 do Jornal O Metropolitano 

Na página 7, a poesia "Remenda", de Jacqueline Collodo Gomes. Veja online neste link: 


Também disponível na versão impressa. Distribuição gratuita! Procure em um ponto de distribuição.

Tudo foi diferente este ano

Image from: sxc.hu

Tudo foi diferente este ano

Jacqueline Collodo Gomes 

Tudo foi diferente este ano.
Os fins de noite. O voltar pra casa. O abrir a porta...
Buscas, esforços, abandonos. Luzes que se apagaram. Falta daqueles seus perfumes tão enjoativos, pelo ar!
Eu esperei você voltar.
Sempre detestei celular. Agora eu tenho que usar o celular que você deixou... Eu nem gosto de tocá-lo. Não me desce! Era seu! Não meu!
Eu nunca liguei pra demasiada tecnologia. Sempre preferi as árvores. O lago, a grama. Sempre sonhei com isso!
Eu queria que você tivesse tido tempo de ver as árvores comigo! O lago, a grama, um piquenique. Mãe. As três letras que o céu nunca apaga!
Tudo foi diferente este ano. 
Mãe nunca esquece o número de telefone do filho. De cobri-lo no frio. De cobrá-lo pra ser bom na vida. Mas eu me sinto como se você tivesse esquecido o meu. Esse número, que nem meu mesmo é. Que já era seu antes de eu ter começado a andar.
Todas as coisas guardam um pouco do seu riso. Há momentos em que a sua voz seria a melhor música.
Eu sinto o cheiro da sua mão! Mãe! As três letras que o céu nunca, nunca vai apagar!
...
Tudo foi diferente este ano!

31/08/2013, 01:06.

"Mãe, que falta de você enxugar as minhas lágrimas! Que falta de você chorar comigo! Só quem é mãe sabe chorar a dor do filho!"

"Que o céu te dê memória de mim! Porque eu não quero que se desliguem as nossas memórias!"

Conserve o que você é

Conserve o que você é. Se você for jovem, proteja a sua juventude. Se você for poeta, cuide da sua poesia. As melhores coisas são as mantidas de forma especial.

E todas as melhores coisas são especiais demais para ficarem expostas a quem possa estragá-las. Preserve suas pérolas.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Uma capa-guia para ser refeita

Image from: sxc.hu


Uma capa-guia para ser refeita

- Jacqueline Collodo Gomes

Alguma coisa foi embora, este final de semana.
Passou a mão nas malas, sequer fez a cama.
Foi, e me deixou escancarada, com este buraco, ao vento
e os retalhos do recente arrancado, pendurados, ao relento.

Alguma massa tão densa, e visivelmente invisível, invadiu o recinto
circulou os presentes, juntou pra si mesmo os sentidos
deixou tudo tão morto e parado, calou o seio dos sinos,
até as luzes se apagaram mais cedo, o existir ficou escondido.

Três rasteiras de poeira... Três flores na janela, à beira.
Um alguém fadado por fadados dias. Pequenos pontos
chamando a harmonia...!
Uma capa-guia para ser refeita.

19/08/2013, 01:06.

Seleção na Antologia "Mil Poemas para Gonçalves Dias"


Poesia selecionada: "Ana Amélia", de Jacqueline Collodo Gomes, para compôr a Antologia "Mil Poemas para Gonçalves Dias", lançada em homenagem ao autor.

O livro pode ser lido online, em duas partes. A poesia da autora se encontra na parte 02 do livro, na página 318:



Organizadores: Dilercy Aragão Adler
Leopoldo Gil Dulcio Vaz

"Noite", na edição de 17 de Agosto de 2013, do Jornal O Metropolitano


Poesia "Noite", de Jacqueline Collodo Gomes, publicada no Caderno de Arte e Cultura.

Confira a edição neste link:

http://issuu.com/o_metropolitano/docs/ed_027

Retire seu exemplar gratuito em um dos pontos de distribuição!

"Eu não peço muito da vida", na edição de 10 de Agosto do Jornal O Metropolitano

Edição Online do dia 10 de Agosto de 2013 do Jornal O Metropolitano

No Caderno Arte e Cultura, o texto "Eu não peço muito da vida", de Jacqueline Collodo Gomes. Veja online neste link:

http://issuu.com/o_metropolitano/docs/ed_026

Também disponível na versão impressa. Distribuição gratuita! Procure em um ponto de distribuição.


"Estavam Lá" na edição de 03 de Agosto no Jornal O Metropolitano

Edição Online do dia 03 de Agosto de 2013 do Jornal O Metropolitano

Na página 7, a poesia "Estavam Lá", de Jacqueline Collodo Gomes. Veja online neste link:


Também disponível na versão impressa. Distribuição gratuita! Procure em um ponto de distribuição.


"Eu pus os pés na grama", na edição 27 do Jornal O Metropolitano

Edição Online do dia 27 de Julho de 2013 do Jornal O Metropolitano 

No Caderno Arte e Cultura, o texto "Eu pus os pés na grama", de Jacqueline Collodo Gomes. Veja online neste link: 


Também disponível na versão impressa. Distribuição gratuita! Procure em um ponto de distribuição.

Não entala mais a minha garganta!

Image from: sxc.hu

Entalo e Garganta

- Jacqueline Collodo Gomes

Não entala mais a minha garganta!
Não grite que isto não adianta!
Eu estou dolorida, e não poderia estar mais
se estivesse no interior de um mundo servido para chocalho!

Montes de um deslocado baralho!
Barulhos e descamadas faíscas! Som de quem chora.
Riscas de iscas.
Põe pra fora!

Só não entala mais a minha garganta!
Que não tenho, por ora, muito do que me acalanta!

13/08/2013, 03:19.

Eu queria simplificar as minhas palavras

Image from: sxc.hu

Eu queria simplificar as minhas palavras

- Jacqueline Collodo Gomes

Eu queria simplificar as minhas palavras.
Mas eu estou mergulhada no campo infindo das letras.
O pouco que se aparenta expressar sempre é muito.
É um imergir em órbita, aos flashs que surgem
pequenos pontos dourados, outros brancos, no escuro.
E todas as palavras, somadas de uma vida,
toda a saudade de quem deixou suas palavras
subindo, subindo... Desvencilho - gel, e brilho
às vezes o que se há de dizer pode ser tão pequenino
e conter o seu próprio universo, imensa importância
que não se pode abandonar!

Mas, em alguns momentos, eu só queria poder simplificar as minhas palavras...
Para que as dores fossem embora por um caminho reto
por um caminho só.

13/08/2014, 00:52.

Eu gosto do contorno em tudo

Image from: morgueFile

Sobre Emoções 

- Jacqueline Collodo Gomes

II

Eu gosto do contorno em tudo.
Mas eu gosto mais dos teus contornos.

08/07/2013, 18:07.

Remenda

Image from: morgueFile


Remenda

- Jacqueline Collodo Gomes


Fome. Cansaço. Saudade de lar.

Enfado. Tristeza. Remendo abrigo.

Três letras, um acento... E o não ecoar.

Um mundo pesado, feio, destituído.

Futilidades. Ilusões sustentadas

ao suor de quem sabe a verdade mas cala.

Repugnante. Afronta indecente e um tamanho absurdo.

O que é que fizeram com tudo?

Disseram-nos que não vale a pena viver pelas causas de luta.

Até os estudados. Todo o mundo topou isto. Uma era muda.

Vivos por motivos repugnantes.

E se compartilham as hipocrisias.

Alguns olhos não os aguentam. É como ter luz e não ter dia.

Choro em lugar de alegria. Desfaz-se uma ilha.

- Uma voz que não me chama mais por filha!

...

Ah, saudade de lar!

Fome e cansaço!

Mundo surto

fruto destes que produzem o fracasso!

...

Três letras, um acento... E um vazio terraço!

07/08/2013, 00:29